Conselho Regional de Química da 5ª Região
Conselho Regional de
Química da 5ª Região
Rio Grande do Sul
A vida é nosso principal elemento.
   
 
 
CRQV Institucional
Comunicação AFT Registro Delegacias Legislação Programas Fale Conosco CRQV
 
 
   
 
 
Untitled Document
Notícias
SOMOS QUIMICAMENTE FEITOS DE MATERIAL ESTELAR
04 de maio de 2017
A influência do pH do solo no desenvolvimento das plantas
26 de abril de 2017
Estrutura de proteína essencial à replicação do vírus Zika é desvendada
28 de março de 2017
mais notícias
CRQV

Untitled Document
CRQV

Sobre o CRQ

No dia 18 de junho de 1956, a Lei 2.800 criou os Conselhos Profissionais de Química em âmbito Federal e Regional. O Conselho Regional de Química da 5ª Região foi inaugurado em 30 de julho de 1957, em Porto Alegre, RS.saiba mais
CRQV

Siga-nos no Siga-nos no Twitter
Cursos
Informações
Referentes ao Registro
de Cursos de Formação
Profissional no CFQ
CRQV
Cursos aprovados pelo CFQ
Untitled Document
CRQV Novo chip para detectar vírus da dengue é desenvolvido CRQV

Estatísticas epidemiológicas de doenças transmitidas por mosquitos impressionam. Segundo a Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, em 2016 foram notificados cerca de 1,5 milhão de casos de dengue, 272 mil de febre chikungunya e 215 mil de febre Zika. Em 2015, foram 143 mil casos de malária.

Estratégias de combate a essas epidemias incluem prevenção – por meio do combate às diversas espécies de mosquitos transmissores –, desenvolvimento de vacinas, vigilância epidemiológica com rápido diagnóstico dos doentes e tratamento clínico e ambulatorial.

No quesito da vigilância epidemiológica, grupos em universidades brasileiras pesquisam o desenvolvimento de biossensores de baixo custo para acelerar o diagnóstico. Um exemplo é o imunochip para detecção de doença da dengue que está em desenvolvimento no grupo BioPol dos Departamentos de Química e de Bioquímica e Biologia Molecular da Universidade Federal do Paraná (UFPR), em Curitiba.

“No nosso sensor, a detecção da doença da dengue é indireta. O que se detecta não é o vírus, mas um antígeno característico da infecção. Essa detecção se dá através de anticorpos ancorados no biossensor, que detectam rapidamente a presença do antígeno no soro e, indiretamente, nos dá a resposta de infecção”, disse o doutorando em bioquímica Cleverton Pirich, um dos autores do estudo.

O imunochip é capaz de detectar a presença de moléculas do antígeno (NS1) para a dengue em soro sanguíneo, fornecendo um resultado positivo ou negativo de forma rápida. Resultados do trabalho foram publicados no periódico Biosensors and Bioelectronics.

O sensor é baseado na tecnologia das microbalanças de cristal de quartzo (MCQ). O termo microbalança se refere à capacidade desses dispositivos detectarem quantidades de uma molécula, a exemplo de uma proteína, na ordem de nanogramas (bilionésimos de grama).

Isso é possível devido a uma propriedade eletroquímica chamada efeito piezoelétrico. Piezoeletricidade é a capacidade de alguns cristais gerarem tensão elétrica como resposta a uma pressão mecânica.

Os sensores piezoelétricos são dispositivos que usam o efeito piezoelétrico para medir pressão, aceleração, tensão ou força, convertendo-os em sinal elétrico.

Para validar os resultados e a eficiência do imunochip desenvolvido em Curitiba, Pirich e sua orientadora, a professora Maria Rita Sierakowski, contaram com a colaboração do professor Roberto Manuel Torresi, do Departamento de Química Fundamental do Instituto de Química (IQ) da Universidade de São Paulo, quanto ao funcionamento e interpretação de resultados em uma microbalança com dissipação de energia (MCQ-D).

“A microbalança utiliza o efeito piezoelétrico reverso. No caso específico do novo imunochip, um sinal elétrico é aplicado ao cristal e a frequência desse sinal muda quando algumas moléculas de antígeno (NS1) para a dengue presentes em uma amostra se depositam sobre o cristal”, disse Torresi.

No laboratório coordenado pelo professor Torresi há uma das mais sofisticadas e precisas microbalanças de cristal de quartzo em operação no Brasil. O equipamento foi adquirido com apoio da FAPESP.

Assim como o imunochip, a microbalança MCQ-D também baseia sua operação na detecção utilizando efeito piezoelétrico reverso. Só que sua precisão é de outra ordem de grandeza, além de detectar também mudanças reológicas.

“A microbalança do nosso laboratório é muito mais sofisticada que outras existentes no país”, disse Torresi, que também assina o artigo publicado na Biosensors and Bioelectronics e coordena o Projeto Temático “Otimização das propriedades físico-químicas de materiais nanoestruturados e suas aplicações em reconhecimento molecular, catálise e conversão/armazenamento de energia".

A microbalança do IQ (MCQ-D) e as do BioPol (MCQ, adquirida com apoio da Capes, e MCQ-D, com apoio da Finep) confirmaram a presença do antígeno NS1 para a doença da dengue em todas as amostras de soro que foram contaminadas por acréscimo desse antígeno, para as quais o imunochip havia sido produzido contendo o anticorpo NS1, resultando num resultado positivo de detecção.

Aplicações ambientais

"O imunochip foi desenvolvido para detectar moléculas do antígeno da doença da dengue em qualquer material em meio líquido. Mas o princípio pode ser aplicado na detecção de outras doenças, assim como em aplicações ambientais e saúde para detectar moléculas contaminantes presentes em água, alimentos e meio ambiente, por exemplo”, disse Sierakowski.

A base do imunochip é um cristal de quartzo importado, sobre a qual são depositados os demais componentes em finas camadas. A primeira, logo acima do cristal, é de ouro. Imediatamente acima está uma película de um polímero chamado polietilenimina.

Por fim, sobre o polímero é colocado um nanofilme de nanocristais de celulose, oriundo de tratamento químico de resíduos industriais de celulose bacteriana, preparado para reagir quimicamente na presença do antígeno da dengue. A reação química acarreta uma mudança de resposta dos nanocristais, que é refletida pela alteração dos seus padrões de frequência e de dissipação de energia.

É a mensuração precisa da mudança desses padrões de frequência e de dissipação de energia que indicará a presença ou não do antígeno para a doença da dengue e, por consequência, se o paciente de quem aquela amostra foi obtida está ou não infectado pelo vírus da dengue.
O processo pode parecer longo, mas, após o desenvolvimento do biossensor, a resposta é praticamente imediata. Pinga-se a amostra sobre o biossensor e se obtém o resultado com precisão. A presença do antígeno (NS1) para a dengue é determinada a partir de quantidades de 0,03 micrograma por mililitro.

“O mais importante para um paciente no diagnóstico não é saber quantas moléculas de antígeno há na amostra. O que interessa para ele é saber se está ou não infectado e, caso esteja, começar o mais rápido possível o tratamento correto. Visando somente um diagnóstico qualitativo, ou seja, com uma resposta positiva ou negativa, isso abre margem para o desenvolvimento de equipamentos mais simples, baratos e acessíveis que cumpram esse propósito”, disse Pirich.

“Como foi discutido e demonstrado em nosso trabalho, um imunochip desse, se desenvolvido e comercializado, poderá ser uma ferramenta de diagnóstico em tempo real, capaz de fornecer resultados em aproximadamente 15 minutos”, disse.

O artigo Piezoelectric immunochip coated with thin films of bacterial cellulose nanocrystals for dengue detection (doi: http://dx.doi.org/10.1016/j.bios.2017.01.068), de Cleverton Luiz Pirich, Rilton Alves de Freitas, Roberto Manuel Torresi, Guilherme Fadel Picheth e Maria Rita Sierakowski, pode ser lido em: www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0956566317300684.

FONTE: Agência FAPESP

> Clique aqui e saiba mais.
CRQV CRQV
SOMOS QUIMICAMENTE FEITOS DE MATERIAL ESTELAR
04 de maio de 2017

O ciclo de vida de uma estrela As estrelas são astros celestes que despertam o interesse e a imaginação da sociedade desde a Antiguidade. O nascimento delas ocorre em grandes nuvens de gás compostas por hélio e hidrogênio, chamadas de nebulosas. As moléculas são atraídas umas pelas outras e ficam próximas em função da força gravitacional, isto faz com que a nebulosa diminua de tamanho...saiba mais

CRQV CRQV
 
CRQV CRQV
Agenda: Curso de Alambiqueiro
Data: 21, 22 e 23 de julho de 2017

Tudo que você quer saber sobre produção de cachaça de alambique. Aulas práticas realizadas no alambique escola do IFFar – Campus Jaguari, sob orientação de técnicos do IFFar e do Deptº Técnico da Limana Poliserviços (tradicional fabricante gaúcho de alambiques de cobre). Além disso, o aluno agregará conhecimentos sobre variedades e manejo da cana-de-açúcar adaptada as características climáticas...saiba mais

CRQV CRQV
 
CRQV CRQV
A influência do pH do solo no desenvolvimento das plantas
26 de abril de 2017

O desenvolvimento de plantas está ligado a diversos fatores como época de crescimento, clima e acidez da terra cultivada. A acidez ou alcalinidade do solo são definidas pelo pH (Potencial Hidrogeniônico) que varia de 3,0 à 9,0 na terra. Esta variação ocorre dependendo da região em que está, sua composição (rochas) e as substâncias orgânicas que são adicionadas no seu preparo para o plantio. Solo...saiba mais

CRQV CRQV
 
Informativo O que é uma AFT Projetos

Não deixe de conferir a última edição do Informativo CRQ-V: a revista trimestral dos químicos.saiba mais

Saiba o que é necessário para o profissional assumir responsabilidade técnica na indústria química.saiba mais O PQUIM auxilia o profissional formado em Química a ingressar ou a retornar à área de trabalho.saiba mais
Acesso à Informação

CRQV
Vídeos
saiba mais
CRQV

Acesso Rápido
Registro Pessoa Física
Registro Pessoa Jurídica
Pesquisa de Profissionais
Cancelamento Registro P.F.
Cancelamento Registro P.J.
AFT - Informações
Renove sua AFT
Cancele sua AFT
Atualize sua Carteira
Atualize seu Endereço
Parcelamento de Débitos
Isenção de Anuidade P.F.
CRQV

Expediente
9 horas às 12 horas e
das 13h30min às 16h45min
CRQV

Novidade!

Conheça nossa Galeria de Fotos

CRQV
 
 
CRQV Conselho Regional de Química da 5ª Região | Avenida Itaqui, 45 | CEP 90460-140 | Porto Alegre | RS | Fone/Fax: 51 3330 5659 CRQV